27 de setembro de 2011

SOMENTE A CONSCIÊNCIA PERMANECE

A meditação é uma aventura, uma aventura rumo ao desconhecido — a maior aventura que a mente humana pode ter. E por aventura eu quero dizer que você não pode ser instruído sobre ela.

Em primeiro lugar, é impossível saber algo sobre ela antecipadamente. A menos que a pessoa a conheça, não pode saber nada. Tudo o que se tem dito, em última análise, não significa nada: a verdade permanece indizível. Muito se tem dito — muito se tem dito sobre nada. Nem uma única palavra foi expressa.

A menos que você conheça a meditação, não pode conhecê-la. Mas alguma coisa pode ser indicada. Esse nunca será o ponto; não pode ser. A natureza das coisas é tal que isso é impossível. Você não pode dizer que isto é meditação.

Tudo o que se pode dizer é que isto não é meditação, que aquilo não é meditação. O que resta é — mas o que resta é deixado sem indicação.

Existem muitas razões para isso. A meditação é algo maior do que a mente. Não é algo que acontece na mente; é algo que acontece para a mente. Caso contrário, a mente seria capaz de defini-la, de conhecê-la, de compreendê-la.

Assim, não é algo que acontece na mente, mas para a mente. É como a morte acontecendo para a vida. A morte nunca acontece na vida; acontece para a vida.

A meditação é uma morte para a mente, assim como a morte é para o corpo, para a vida. A meditação é uma morte mais profunda — não física, mas psíquica. E quanto mais profunda a morte, maior é a possibilidade de renascimento.

Quando a morte física acontece, você renasce fisicamente. No que diz respeito a sua interioridade, nada acontece, absolutamente nada. Você permanece igual — a mesma continuidade está presente; nada é diferente.

Entretanto, quanto mais profunda a morte, mais profunda a ressurreição. Se você morrer psicologicamente, se a mente morrer, então você também renascerá, mas esse renascimento não é igual ao renascimento físico.

Quando o corpo morre, ele é substituído; um novo corpo o substitui. Mas quando a morte mental, a morte psíquica acontece, a mente não é substituída. A consciência permanece sem a mente.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA
Deve-se estar sentado confortável com a coluna vertebral bem direita. Começamos por inspirar profundamente pelo nariz e expiramos pela boca. Visualizamos a inspiração em energia branca e pura e a expiração levando todas as toxinas e energias negativas em névoas negras. Seguidamente concentramo-nos na energia do universo, das estrelas, dos planetas e focalizamo-nos em inspirar essa energia, preenchendo-nos completamente com ela. Sentimos o nosso corpo envolvido e preenchido com essa energia de paz e amor universal. Mantemos esta sensação durante cerca de dois minutos e depois, lentamente, pensamos somente em inspirar paz. Pensamos na paz e concentramo-nos na respiração desse sentimento, um sentimento de paz. Quando expiramos, enviamos paz também para o universo, preenchendo-o. Fazer esta respiração durante cerca de dois minutos e está-se pronto para a Meditação da Luz Dourada. Visualizamos de seguida, que inspiramos uma luz dourada. Sentimo-la a entrar para os nossos pulmões e a espalhar-se por todo o nosso corpo. Fazêmo-lo nove vezes. Passamos a respirar regularmente pelo nariz. Depois, começamos a visualizar uma linha dourada desde a base da espinha até ao topo da cabeça. Visualizamos essa linha dourada da grossura de um fio de electricidade. Fazêmo-lo nove vezes. Visualizamos então a grossura do fio dourado a aumentar lentamente até atingir a grossura de um lápis. Sentimos a luz dourada desde a ponta da espinha até ao topo da cabeça. Novamente sentimos a expansão da grossura da luz dourada até atingir a grossura de um dedo a fluir desde o topo da cabeça até à base da espinha. Agora, sentimos a luz a expandir-se para uma coluna de luz dourada que flui desde a base da espinha até o topo da cabeça. Visualizamos esta bela coluna de luz dourada a expandir-se lentamente até nos envolver completamente todo o corpo. Ficamos a sentir, pacificamente, essa luz dourada a envolver-nos. Agora, lentamente visualizamos a coluna de luz que nos envolve, a transformar-se num grande ovo de luz dourada que nos envolve completamente. Sentimos a sua paz e também a sua protecção. Tudo o que está dentro desse ovo cintila de energia, alimenta a nossa aura de energia e fortalece-a. Ficamos durante cerca de dois minutos sentindo-nos envolvidos por esse ovo de luz dourada. Depois, começamos a visualizar o encolhimento do ovo dourado. Primeiro sentindo-o voltar à forma de coluna, e depois lentamente sentimo-la encolher até à base da espinha e ao topo da cabeça. Depois sentimo-la a encolher lentamente até ficar do tamanho de um dedo, depois de um lápis, e finalmente, da grossura dum único fio dourado. Agora, sentimos a energia desse fio dourado a fluir desde a base da espinha até ao topo da cabeça e focalizamo-nos no ponto de intersecção das linhas do terceiro olho e do topo da cabeça. Respiramos por nove vezes, sentindo a energia da luz dourada nesse local da cabeça e depois, deixamos a energia fluir de novo para a boca, estômago, baixo abdómen, deixando-a dissolver-se aí lentamente. Respiramos fundo mais umas quantas vezes e sentimos toda a paz e protecção que essa luz dourada nos proporcionou. Sentimos que podemos fazer esse exercício sempre que quisermos, envolver-nos nessa luz dourada e fortalecer a nossa aura com a sua protecção e energia.

Seguidores

Follow by Email

“O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo.

O que for o teu desejo, assim será tua vontade.

O que for a tua vontade, assim serão teus atos.

O que forem teus atos, assim será teu destino.”

Brihadaranyaka Upanishad

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.
Seja LUZ !!!

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR
Desperte para a regeneração da alma e do próprio corpo físico, começando por se desintoxicar daquilo que desequilibra a tua saúde física. Depure e purifique teus pensamentos, olhando mais para o Sol da verdade, do que para as nuvens da ignorância. Quem se faz luz não teme a escuridão, nem nevoeiros passageiros. Sabe que tudo que não for essencialmente divino, passa e se transmuta. Sendo assim, transmute-se!