17 de dezembro de 2013

A CIÊNCIA BUSCA ENTENDER COMO O CORPO REAGE A UMA AMEAÇA

Desvendar como o cérebro percebe o perigo é chave para entender doenças como a síndrome do pânico.

Nas trilhas do medo, ciência busca entender como o corpo reage a ameaças Leonardo Azevedo/Arte ZH
De uma coisa não restam dúvidas: o medo é essencial para a preservação das espéciesFoto: Leonardo Azevedo / Arte ZH
Paloma Oliveto

Pode ser o barulho seco de um galho quebrando ou um vulto que passa sorrateiro. Os sentidos se aguçam, as pupilas se dilatam, os pelos eriçam, o coração dispara. Orquestrado pela mente, o corpo todo reage. Por cada poro, brota o medo, uma das mais primitivas emoções do homem.

Entender o que se passa no cérebro antes mesmo que a razão perceba o perigo é um dos desafios da ciência. Mas ainda há muito o que se descobrir, principalmente porque aí pode estar a chave para o tratamento de condições desafiadoras, como a síndrome do pânico e o transtorno da ansiedade generalizada.

De uma coisa não restam dúvidas: o medo é essencial para a preservação das espécies. Temer o perigo é condição básica para driblar os predadores e escapar de situações potencialmente arriscadas. Testes com animais revelam um padrão diante de ameaças. “Fuja ou lute”, parece dizer o cérebro. O que vai definir a escolha é um duplo processo iniciado pelo tálamo, a região que capta os estímulos externos e os passa adiante. O corpo é extremamente sensível à possibilidade de ameaças. Múltiplos caminhos levam a informação do medo até o cérebro.

Pavor rotineiro

Há indivíduos que sentem medo o tempo todo. Alguns cientistas acreditam que a síndrome do pânico e o transtorno de ansiedade generalizada podem estar relacionados com a ativação do sistema “fuja ou lute” diante de acontecimentos estressantes do dia-a-dia. O tálamo identificaria no estresse uma ameaça e, como no caminho rápido, enviaria essa informação à amígdala. A região do cérebro que decodifica emoções interpretaria a situação “ameaçadora” sem dar tempo para o córtex sensorial avaliar racionalmente o estímulo.

O neuropsicólogo Justin Feinstein, da Universidade de Iowa (EUA), acredita, porém, que os distúrbios do medo passam longe da amígdala, o que evidenciaria a participação de outras regiões do cérebro na formação do pânico. Ele chegou a essa conclusão ao estudar o curioso caso de S.M, uma artista plástica de 47 anos que sofre da doença de Urbach-Wiethe, caracterizada pela ausência de temor.

Na adolescência, as amígdalas de S.M. foram destruídas e, com elas, qualquer resquício de medo. A paciente revelou que andar de montanha-russa, por exemplo, é divertido e engraçado, mas que não consegue sentir nem um friozinho na barriga.

Contudo, a equipe de Feinstein fez a mulher provar uma sensação que há décadas desconhecia: os médicos deram uma dose de CO² para ela inalar. O gás causa sensação de falta de ar e induz pessoas normais ao estado de terror. Pouco depois do início do teste, S.M. gritou por ajuda. A artista descreveu aos médicos um estado mental terrível, completamente novo – pânico.


– Seus batimentos cardíacos aceleraram, ela estava completamente estressada, temendo por sua vida – afirma Feinstein.

De acordo com o psicólogo, enquanto informações do mundo externo são filtradas pelas amígdalas antes de o medo ser produzido fisiologicamente, os sinais de pavor originados dentro do indivíduo seguem por uma rota diferente.

– É uma descoberta que pode ser fundamental para explicar por que as pessoas têm ataques de pânico – avalia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA
Deve-se estar sentado confortável com a coluna vertebral bem direita. Começamos por inspirar profundamente pelo nariz e expiramos pela boca. Visualizamos a inspiração em energia branca e pura e a expiração levando todas as toxinas e energias negativas em névoas negras. Seguidamente concentramo-nos na energia do universo, das estrelas, dos planetas e focalizamo-nos em inspirar essa energia, preenchendo-nos completamente com ela. Sentimos o nosso corpo envolvido e preenchido com essa energia de paz e amor universal. Mantemos esta sensação durante cerca de dois minutos e depois, lentamente, pensamos somente em inspirar paz. Pensamos na paz e concentramo-nos na respiração desse sentimento, um sentimento de paz. Quando expiramos, enviamos paz também para o universo, preenchendo-o. Fazer esta respiração durante cerca de dois minutos e está-se pronto para a Meditação da Luz Dourada. Visualizamos de seguida, que inspiramos uma luz dourada. Sentimo-la a entrar para os nossos pulmões e a espalhar-se por todo o nosso corpo. Fazêmo-lo nove vezes. Passamos a respirar regularmente pelo nariz. Depois, começamos a visualizar uma linha dourada desde a base da espinha até ao topo da cabeça. Visualizamos essa linha dourada da grossura de um fio de electricidade. Fazêmo-lo nove vezes. Visualizamos então a grossura do fio dourado a aumentar lentamente até atingir a grossura de um lápis. Sentimos a luz dourada desde a ponta da espinha até ao topo da cabeça. Novamente sentimos a expansão da grossura da luz dourada até atingir a grossura de um dedo a fluir desde o topo da cabeça até à base da espinha. Agora, sentimos a luz a expandir-se para uma coluna de luz dourada que flui desde a base da espinha até o topo da cabeça. Visualizamos esta bela coluna de luz dourada a expandir-se lentamente até nos envolver completamente todo o corpo. Ficamos a sentir, pacificamente, essa luz dourada a envolver-nos. Agora, lentamente visualizamos a coluna de luz que nos envolve, a transformar-se num grande ovo de luz dourada que nos envolve completamente. Sentimos a sua paz e também a sua protecção. Tudo o que está dentro desse ovo cintila de energia, alimenta a nossa aura de energia e fortalece-a. Ficamos durante cerca de dois minutos sentindo-nos envolvidos por esse ovo de luz dourada. Depois, começamos a visualizar o encolhimento do ovo dourado. Primeiro sentindo-o voltar à forma de coluna, e depois lentamente sentimo-la encolher até à base da espinha e ao topo da cabeça. Depois sentimo-la a encolher lentamente até ficar do tamanho de um dedo, depois de um lápis, e finalmente, da grossura dum único fio dourado. Agora, sentimos a energia desse fio dourado a fluir desde a base da espinha até ao topo da cabeça e focalizamo-nos no ponto de intersecção das linhas do terceiro olho e do topo da cabeça. Respiramos por nove vezes, sentindo a energia da luz dourada nesse local da cabeça e depois, deixamos a energia fluir de novo para a boca, estômago, baixo abdómen, deixando-a dissolver-se aí lentamente. Respiramos fundo mais umas quantas vezes e sentimos toda a paz e protecção que essa luz dourada nos proporcionou. Sentimos que podemos fazer esse exercício sempre que quisermos, envolver-nos nessa luz dourada e fortalecer a nossa aura com a sua protecção e energia.

Seguidores

Follow by Email

“O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo.

O que for o teu desejo, assim será tua vontade.

O que for a tua vontade, assim serão teus atos.

O que forem teus atos, assim será teu destino.”

Brihadaranyaka Upanishad

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.
Seja LUZ !!!

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR
Desperte para a regeneração da alma e do próprio corpo físico, começando por se desintoxicar daquilo que desequilibra a tua saúde física. Depure e purifique teus pensamentos, olhando mais para o Sol da verdade, do que para as nuvens da ignorância. Quem se faz luz não teme a escuridão, nem nevoeiros passageiros. Sabe que tudo que não for essencialmente divino, passa e se transmuta. Sendo assim, transmute-se!