29 de abril de 2013

CONEXÃO CÉREBRO E MENTE

Novos estudos de mapeamento não vão nos ajudar a entender a conexão cérebro-mente, até que comecemos a pensar de forma diferente
POR JONATHON KEATS

Pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde são diligentemente mapear todos os 100 trilhões de conexões neurais entre nossos 86 bilhões de neurônios, e o presidente Obama acaba de anunciar um Brain Research 100 milhões dólares através do avanço Iniciativa neurotecnologias inovador que vai estudar todas essas redes em ação.

O neurologista Robert Burton é cético, para dizer o mínimo. Seu novo livro, "Um Guia Cético para a Mente", é uma acusação contundente de reducionismo em todas as suas formas, e uma chamada agitação considerar se os cientistas estão ainda pedindo o direito tipos de perguntas. Recentemente me encontrei com Burton em sua casa Sausalito, Califórnia,. Sobre o café, ele me explicou o que os neurocientistas estão começando errado, como neurologia pode ser melhorado, e porque a mente é tão desconcertante em primeiro lugar.

Em seu livro anterior, "On Being Certain", que argumentou que a nossa sensação de segurança é totalmente confiável. Como o seu novo livro expandiu essa idéia?

Um número de estados mentais que se sentem como o pensamento consciente na verdade são involuntários sensações mentais. Originalmente focada no sentimento de saber - de um palpite para o sentimento de certeza absoluta. Agora percebo que o sentimento de saber é uma pequena parte de um cérebro maior gerado num sistema mental sensorial que inclui o sentido de si mesmo, o sentido de escolha, o controle sobre nossos pensamentos e ações, sentimentos de justiça e equidade, e até mesmo como nós determinamos a "causalidade". Estas sensações também compreendem muito do que experimentamos quando estamos a falar da mente.

Você escreve que, mesmo depois de 2.500 anos de contemplação e de pesquisa, ainda não temos "nenhuma ideia do que uma mente realmente é." Por que continuamos a bater a cabeça contra a parede?

Nós não podemos ajudar a nós mesmos. Dada a tendência do nosso cérebro para procurar padrões e evitar ambigüidade, estamos fisiologicamente condenados a questionar a própria entidade que é responsável por gerar as perguntas. Este estado paradoxal é provável que seja o cerne de muitos antigos enigmas filosóficos. Por exemplo, porque temos um sentido inato de agência e ainda, simultaneamente, acreditar que os estados mentais preexistentes deve ter causas físicas, ficamos debatendo livre arbítrio versus determinismo. Se não tem um sentido de agência, eu não tenho certeza de que a questão livre arbítrio seria mesmo surgir.

Então, essas questões são fundamentalmente equivocadas.

A mente existe em duas dimensões distintas - como a experiência subjetiva do que se passa dentro da nossa cabeça, e como conceito abstrato. Nem pode ser objectivamente avaliado. Podemos estudar o funcionamento do cérebro e, finalmente, chegar a um bom modelo de trabalho de como o cérebro funciona. No entanto, não há nenhum método científico para abordar a experiência subjectiva. O Santo Graal da neurociência seria compreender como o cérebro converte atividades biológicas para a consciência subjetiva. Atualmente não temos nenhuma pista, nem mesmo suspeitas razoáveis. O fracasso em curso até mesmo formula o problema de forma coerente, se reflete na incapacidade de neurocientistas e filósofos da mente para chegar a uma hipótese razoável, vamos dados experimentais sozinho convincentes.

O presidente Obama propôs recentemente um Brain Research vasta através do avanço Iniciativa neurotecnologias Inovadora. O seu projeto de mapeamento cerebral tem uma premissa legítima?

Eu não sei exatamente o que a premissa é. De acordo com um porta-voz da Casa Branca, "A Iniciativa cérebro vai acelerar o desenvolvimento e a aplicação de novas tecnologias que permitem aos pesquisadores produzir imagens dinâmicas do cérebro que mostram como as células cerebrais individuais e complexos circuitos neurais interagem na velocidade do pensamento." Tal um projeto é susceptível de produzir abundantes novos dados sobre a atividade elétrica do cérebro, mas eu não sinto qualquer ideia subjacente na nova grande ou intuição. Dados é informativo, mas o que é realmente necessário é alguma inovação intelectual que vai além da tecnologia - presente e futuro.

Como é que o dinheiro seja bem gasto?

A verdadeira questão é, como você encontrar e cultivar uma "fórmula Einstein" no futuro da mente. Melhorar nossas tecnologias sem um avanço que o acompanha em pensar sobre a conexão mente-cérebro é equivalente a atualizar uma máquina linotipo a maior impressão do mundo sem ter algo a dizer.

Você também é cético em relação a iniciativas existentes, como Projeto Humano do NIH conectoma.

Para usar outra analogia: Acreditando que o conhecimento da fiação do cérebro pode nos dizer a natureza da consciência é como prever o que se ouve som de um conjunto de alto-falantes, olhando para o diagrama de fiação dos componentes.

Em seu livro, você mesmo abre a possibilidade de que a mente pode se estender para além do indivíduo. Você pode explicar?

A natureza fornece-nos com inúmeras manifestações de organismos com um coletivo da "mente" comportamentos de grupo expositoras (de formigas direcionando o tráfego para os cupins constroem edifícios complexos). Estes não são os comportamentos individuais decorrentes de cérebros individuais. Mesmo organismos sem sistema nervoso, tais como bolor de lodo, pode resolver coletivamente labirintos complexos, a fim de obter a comida. Se uma mente é considerado a "entidade" que controla nossos pensamentos e ações, e aceitamos que os seres humanos são membros do reino animal, devemos pelo menos cogitar a possibilidade de que existem aspectos de nossas mentes que se estendem para além do cérebro individual . No entanto, este conceito vai contra a nossa experiência sentida de uma mente única sob nosso controle individual.

Nosso senso comum suposições levam a neurociência ruim.

Estudar as raízes da empatia ou altruísmo por assuntos imagem única isolados em um scanner fMRI parece tão inadequada como observar um cupim e tentando descobrir como cupins constroem montes.

Você pode me dar um exemplo do errado nível de pensar?

A crença de que os neurônios-espelho responsáveis por nossa capacidade de ler mentes e ser empático. A descoberta inicial era que os macacos tinham um subconjunto de neurônios que disparavam quando o macaco tanto pegou um amendoim e quando o experimentador alcançou o mesmo objeto. Além disso, o movimento teve a aparecer intencional - como se a mão estava chegando para agarrar o amendoim, a fim de comê-lo. O fato de que essas células cerebrais acionado apenas quando detectado intenções semelhantes levou um número de proeminentes investigadores a concluir que o macaco estava lendo a mente do experimentador.

Mas saber a intenção do motor no nível mais baixo - ou seja, que o pesquisador pretende comer o amendoim - não diz nada sobre a motivação de nível superior do experimentador. Talvez ele esteja entediado ou quer ver se seu suprimento de amendoim é obsoleto. Isso equivale a dizer que, quando você vê um jogador de poker para alcançar suas fichas para fazer uma aposta, você pode saber se a sua intenção subjacente é a de blefar. Sabendo intenções de alguém, o motor não é o mesmo que ser capaz de ler a mente de alguém. Neurônios não lêem mentes ou ter qualquer noção de empatia. Estes fenômenos ocorrem em um nível superior de organização do cérebro.

Pode excesso de confiança na FMRIs machucar alguém pessoalmente?

Pense em como você se sentiria se, seis meses após um acidente de automóvel, um membro próximo da família permaneceu em um diagnóstico clínico de estado vegetativo persistente, sem qualquer possibilidade razoável de recuperação. Então, como resultado de ser um assunto de teste em uma nova técnica de fMRI digitalização, lhe foi dito por seus pesquisadores que ela estava totalmente consciente e consciente de seu meio ambiente. Eu não posso imaginar o horror e desespero que se sentiria tentando lidar com o conhecimento de que ela era ao mesmo tempo totalmente insensível e ainda supostamente consciente e consciente.

Para entender minhas preocupações, ter um momento para considerar como os pesquisadores chegaram a esta conclusão. Os pesquisadores pediram a mulher clinicamente sem resposta se imaginar jogando tênis e andando em volta de sua casa. Quando seu fMRI revelou os padrões de ativação mesmos observados em sujeitos voluntários normais, os pesquisadores concluíram esta foi a prova de que a mulher foi deliberadamente a execução dessas tarefas.

Mas isso pressupõe conclusão de que sabemos o que aspectos da cognição ocorrem inconscientemente e que necessitam de iniciação consciente. Atualmente não temos nenhuma ideia dos limites superiores da cognição puramente subliminar. Nós dirigimos no piloto automático. Sonhamos de caminhada ao redor da nossa casa. Estamos constantemente realizando inúmeras atividades mentais sem qualquer consciência deles.

Esta técnica de perguntar aos pacientes a imaginar determinados atos motores provou ser de grande valor para permitir que pacientes conscientes fisicamente incapaz de se comunicar - como pacientes com síndrome do encarceramento - para manipular sua própria fMRI para descrever seu interior, estados mentais. Em essência, o fMRI torna-se uma máquina de escrever de alta tecnologia. Mas quando os pacientes não podem voluntariamente responder a questões complexas sobre seus estados mentais, não temos forma direta de saber que, se alguma coisa, eles estão enfrentando. E isso é o que deve estar dizendo a família, ao invés de dizer que o fMRI indica um nível específico de consciência.

Você argumenta que a neurociência é diferente de outras ciências, pois a mente é tanto o objeto da investigação e do instrumento com o qual os neurocientistas investigar a mente. Talvez não seja o arranjo mais confiável ....

É o equivalente metafórico de pedir um vigarista conhecido por sua auto-avaliação. O caminho para uma melhor compreensão da mente deve começar com uma dose saudável de humildade e ceticismo. Questionar sua metodologia e sua motivação. Reconhecer quando você alcançou os limites de seus dados e se mudaram para o reino da especulação. Apesar das exigências da mídia, evitar o desejo de publicar conclusões prematuras ou simplificado. Acima de tudo, tenha em mente os limites inevitáveis dos filosóficos da neurociência.

Você propõe que os estudos neurológicos devem ser complementados com breves biografias dos pesquisadores envolvidos, revelando suas origens e crenças pessoais. Por que isso é importante?

Os dados podem ser avaliados através do método científico; conclusões são histórias contadas por cientistas com base na evidência de que tenham adquirido, mas filtrada através de seus próprios preconceitos idiossincráticas. Apesar de pública auto-revelação vai contra a presunção tradicional de que os cientistas podem ser inteiramente objetivo, é hora que voltar de pensar que conclusões científicas sobre a mente está livre de percepções e motivações pessoais. Nosso entendimento da neurociência seria muito diferente, se cada estudo tivesse um parágrafo ou dois em que o autor revela a sua compreensão do que agendas dirigiu o estudo.

Que informações você incluir em sua própria autobiografia?

Eu era um grande nas artes liberais, preferem histórias para fatos concretos, perguntas para respostas. Eu prefiro mistério, ambigüidade e temor a linha de fundo e explicações. Estou pessoalmente ofendido por crenças fundamentalistas e reducionista, sejam eles religiosos ou injustificadas pronunciamentos científicos.  Se os cientistas chegaram a uma teoria final de tudo, eu tento não ler.

Uma coisa que você deixou de fora de sua autobiografia é que você já publicou três romances. O que você pode fazer em ficção, que não pode ser alcançado pela neurociência?

A textura da consciência é a língua da literatura, não os dados da ciência.

Jonathon Keats é um artista e escritor. Sua coleção de fábulas, "O Livro do desconhecido: Contos do Trinta e Seis", foi publicado este ano. Mais Keats Jonathon.
Fonte 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA
Deve-se estar sentado confortável com a coluna vertebral bem direita. Começamos por inspirar profundamente pelo nariz e expiramos pela boca. Visualizamos a inspiração em energia branca e pura e a expiração levando todas as toxinas e energias negativas em névoas negras. Seguidamente concentramo-nos na energia do universo, das estrelas, dos planetas e focalizamo-nos em inspirar essa energia, preenchendo-nos completamente com ela. Sentimos o nosso corpo envolvido e preenchido com essa energia de paz e amor universal. Mantemos esta sensação durante cerca de dois minutos e depois, lentamente, pensamos somente em inspirar paz. Pensamos na paz e concentramo-nos na respiração desse sentimento, um sentimento de paz. Quando expiramos, enviamos paz também para o universo, preenchendo-o. Fazer esta respiração durante cerca de dois minutos e está-se pronto para a Meditação da Luz Dourada. Visualizamos de seguida, que inspiramos uma luz dourada. Sentimo-la a entrar para os nossos pulmões e a espalhar-se por todo o nosso corpo. Fazêmo-lo nove vezes. Passamos a respirar regularmente pelo nariz. Depois, começamos a visualizar uma linha dourada desde a base da espinha até ao topo da cabeça. Visualizamos essa linha dourada da grossura de um fio de electricidade. Fazêmo-lo nove vezes. Visualizamos então a grossura do fio dourado a aumentar lentamente até atingir a grossura de um lápis. Sentimos a luz dourada desde a ponta da espinha até ao topo da cabeça. Novamente sentimos a expansão da grossura da luz dourada até atingir a grossura de um dedo a fluir desde o topo da cabeça até à base da espinha. Agora, sentimos a luz a expandir-se para uma coluna de luz dourada que flui desde a base da espinha até o topo da cabeça. Visualizamos esta bela coluna de luz dourada a expandir-se lentamente até nos envolver completamente todo o corpo. Ficamos a sentir, pacificamente, essa luz dourada a envolver-nos. Agora, lentamente visualizamos a coluna de luz que nos envolve, a transformar-se num grande ovo de luz dourada que nos envolve completamente. Sentimos a sua paz e também a sua protecção. Tudo o que está dentro desse ovo cintila de energia, alimenta a nossa aura de energia e fortalece-a. Ficamos durante cerca de dois minutos sentindo-nos envolvidos por esse ovo de luz dourada. Depois, começamos a visualizar o encolhimento do ovo dourado. Primeiro sentindo-o voltar à forma de coluna, e depois lentamente sentimo-la encolher até à base da espinha e ao topo da cabeça. Depois sentimo-la a encolher lentamente até ficar do tamanho de um dedo, depois de um lápis, e finalmente, da grossura dum único fio dourado. Agora, sentimos a energia desse fio dourado a fluir desde a base da espinha até ao topo da cabeça e focalizamo-nos no ponto de intersecção das linhas do terceiro olho e do topo da cabeça. Respiramos por nove vezes, sentindo a energia da luz dourada nesse local da cabeça e depois, deixamos a energia fluir de novo para a boca, estômago, baixo abdómen, deixando-a dissolver-se aí lentamente. Respiramos fundo mais umas quantas vezes e sentimos toda a paz e protecção que essa luz dourada nos proporcionou. Sentimos que podemos fazer esse exercício sempre que quisermos, envolver-nos nessa luz dourada e fortalecer a nossa aura com a sua protecção e energia.

Seguidores

Follow by Email

“O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo.

O que for o teu desejo, assim será tua vontade.

O que for a tua vontade, assim serão teus atos.

O que forem teus atos, assim será teu destino.”

Brihadaranyaka Upanishad

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.
Seja LUZ !!!

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR
Desperte para a regeneração da alma e do próprio corpo físico, começando por se desintoxicar daquilo que desequilibra a tua saúde física. Depure e purifique teus pensamentos, olhando mais para o Sol da verdade, do que para as nuvens da ignorância. Quem se faz luz não teme a escuridão, nem nevoeiros passageiros. Sabe que tudo que não for essencialmente divino, passa e se transmuta. Sendo assim, transmute-se!